Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Marafações de uma Louletana

Um espaço dedicado a Loulé e às suas gentes!

Marafações de uma Louletana

Um espaço dedicado a Loulé e às suas gentes!

Ilustres Louletanos - Engenheiro Duarte Pacheco

22.11.23, Lígia Laginha

nº5 foto Duarte Pacheco 2.jpg

 

Bom dia caríssimos visitantes do “Marafações de uma Louletana”.

Hoje na rubrica “Ilustres Louletanos” fazemos homenagem ao Engenheiro Duarte Pacheco. Fazemo-lo antes de mais por ser uma das personalidades mais importantes que Loulé “deu à luz” e também porque no presente mês, nomeadamente no passado dia 16, assinalaram-se 80 anos sobre a falecimento deste homem invulgar que foi Duarte Pacheco.


José Duarte Pacheco nasceu no seio de uma família numerosa em 1900. Órfão de mãe logo aos seis anos e de pai aos catorze, recebeu apoio económico do tio. Tirará, com uma média de 19 valores, o curso de engenheiro electrotécnico no Instituto Superior Técnico no qual é professor com apenas vinte e três anos, vindo a dirigir o mesmo Instituto em 1927.
Ainda estudante alinha, em 1919, aquando do levantamento de Monsanto, no Batalhão Académico na defesa da República. Em 1926, Duarte Pacheco tem ligações com o oficial da marinha também louletano Mendes Cabeçadas e com Cunha Leal, tendo este formado a União Liberal Republicana, que conspira na preparação do golpe militar de 28 de Maio.
Em Abril de 1928, Duarte Pacheco é nomeado ministro da Instrução, cargo em que permanece apenas até Dezembro do mesmo ano. Durante este curto período de tempo é incumbido de ir a Coimbra chamar Salazar para fazer parte do governo presidido pelo General Vicente de Freitas.
Em 1932, Salazar preside pela primeira vez a um governo e nomeia Duarte Pacheco para ministro das Obras Públicas e Comunicações.
Em Janeiro de 1938, Duarte Pacheco é nomeado presidente da Câmara Municipal de Lisboa.
Durante sensivelmente nove anos de governação, Duarte Pacheco revolucionou profundamente as obras públicas. Estabeleceu um plano urbanístico para o desenvolvimento de Lisboa, teve um papel preponderante nas infra-estruturas que regularizaram o abastecimento de água à capital, assim como nas obras portuárias, na expansão da rede rodoviária, na construção de edifícios escolares, etc.
As obras que inequivocamente permanecem ligadas ao seu nome são: a construção do viaduto de Alcântara, o estádio Nacional, os edifícios do Instituto Superior Técnico, da Casa da Moeda, do Instituto Nacional de Estatística, do Hospital Júlio de Matos, a Alameda D. Afonso Henriques e outros.
Duarte Pacheco viria a falecer em Setúbal, a 16 de Novembro de 1943, num abrupto acidente de viação. Ficou assim uma obra grandiosa a meio.

Loule-antigo-Duarte-Pacheco-Monumento-com-o-nome-d


Loulé, enquanto terra natal deste notório estadista, erigiu em 1953, no dia em que se celebravam dez anos sobre a sua morte, um monumento em homenagem ao malogrado engenheiro e à sua obra. Saibam mais sobre este acontecimento e sobre o monumento aqui.