Domingo, 24.07.11

A Praia de Quarteira

 

 

Bom dia caros visitantes do "Marafações de uma Louletana".

 

Hoje voltamos a falar das lindas praias que compõem o nosso Concelho. E a ilustre contemplada é a Praia de Quarteira.

 

A zona balnear de Quarteira é um grande centro turístico associado a uma frente urbana com um uso intensivo, sendo muito procurada a nível nacional sobretudo durante o Verão.

Delimitada por esporões de defesa costeira e com acessibilidade e mobilidade para todos (acessos ao areal por rampas), a praia é vigiada e tem amplos espaços para o público e uma extensa área concessionada para toldos. A gestão e segurança da praia são adequadas à grande multiplicidade de usos distintos e existem estruturas e entidades vocacionadas para a animação e informação ao cidadão. Apresenta uma vasta oferta turística e cultural, sustentada por unidades hoteleiras de qualidade e espaços de lazer apelativos, beneficiando das facilidades ao nível de serviços e comércio que a Cidade de Quarteira proporciona.

A extensa Avenida marginal em calçada portuguesa (conhecida como Calçadão) que acompanha a área de praia, é destinada a uso pedonal o que convida a longos passeios e a momentos de descontracção e lazer, já que possui diversos equipamentos de apoio com esplanadas e muita animação durante a época balnear.

 

Nota:

 

1. Bons mergulhos!

 

Rabiscado por Lígia Laginha às 09:29 link do post | Comentar | Marafações predilectas
Sábado, 18.06.11

Exposição "Praia de Quarteira: Um século de evolução turística"

 

 

Bom dia caros visitantes do "Marafações de uma Louletana".

 

Em época balnear e no ano em que assinala o Centenário da Instituição do Turismo em Portugal, inaugura hoje, 18 de Junho, pelas 18 horas, na Praia de Quarteira, uma exposição dedicada a estas temáticas.

Quarteira é um dos polos do Turismo algarvio e desde sempre diversas personalidades propagandearam as suas virtudes turísticas. Foi o caso de Mauricio Monteiro, Julião Quintinha, Mário Lyster Franco, entre outros. 

 

"Tendo como ponto de partida a inauguração do caminho-de-ferro, sobretudo a Estação Loulé/Quarteira, esta iniciativa pretende demonstrar como uma aldeia piscatória se transformou numa zona turística, com todas as suas vicissitudes, em grande medida devido à acção dos organismos locais de turismo, Comissão de Iniciativa e Turismo da Praia de Quarteira e depois Junta de Turismo de Quarteira, e das autarquias, Câmara Municipal de Loulé e Junta de Freguesia de Quarteira"

 

Esta exposição documental retrata um século de evolução onde são focados temas como os organismos locais do turismo, a animação, os transportes e alojamentos.

Horário: diariamente das 9h30 às 18h00, até 1 de Julho; diariamente das 16h00 às 23h00, a partir de 1 de Julho e ficará patente até 17 de Julho, na Galeria de Arte da Praça do Mar.


Rabiscado por Lígia Laginha às 09:20 link do post | Comentar | Marafações predilectas
Terça-feira, 07.06.11

Conselhos aos banhistas

 

 

Bom dia caríssimos visitantes do "Marafações de uma Louletana".

 

Hoje neste blog marafado decidi transcrever um artigo que encontrei no jornal "O Algarvio" de 29 de Setembro de 1889. Este artigo intitulado "Conselhos aos banhistas" pretende, como o próprio nome indica, dar dicas aos banhistas, nomeadamente os que frequentavam a praia de Quarteira, sobre a forma como se haviam de comportar e as regras que deviam cumprir na sua ida a banhos. Sendo que a época balnear está aí achei oportuno este post e acreditem que o artigo é deveras engraçado. Então aqui vai:

 

Conselhos aos banhistas

 

“N´esta epocha em que uma grande parte dos habitantes d´esta e outras províncias frequenta as praias julgamos conveniente dar alguns conselhos, que são sempre muito proveitosos porque constituem a synthese de uma longa experiencia e dos trabalhos dos médicos mais eminentes.

Não se deve entrar na água com o corpo ainda em activa transpiração, porque então é muito difficil a reacção pois que o corpo tem perdido a sua maior energia na secreção do suor; também o banho não deve ser tomado com o corpo frio, por ser n´este caso muito difficil estabelecer-se a reacção. É portanto necessário que se dêem alguns passeios, antes de entrar no mar, passeios que dêem ao corpo um certo calor, o bastante para que se estabeleça a necessária reacção.

Não é conveniente tomar o banho, sem que sejam passadas quatro ou cinco horas da última refeição; e para evitar as gravíssimas consequências de se tomar o banho, quando se não acha feita a digestão, é preferível tomar o banho pela manhã, ainda em jejum.

A immersão deve fazer-se de uma só vez, nunca aos poucos, como vemos fazer os indivíduos mais temerosos do mar, recebendo sempre as ondas de lado, ou mergulhando ou elevando-nos com ellas. E tudo isto por forma que o corpo se conserve em movimento.

O banho deve demorar mais de dez minutos e menos de quinze nos adultos, diminuindo-se o tempo para com os anémicos, os velhos, e as crianças, as quaes apenas devem ser conservadas n ´agua pelo tempo de cinco minutos.

O segundo arrepio que se experimentar na água é o signal dado pela própria organisação para a sahida do mar, e , sahindo, deve passeiar, e nunca ficar parado a contemplar o mar; porque se acha provado que n´este último caso a reacção pára immediatamente.

A estação dos banhos deve ser de vinte e cinco a trinta dias; e nunca o banho deve ser tomado no próprio dia da chegada à praia, mas dois ou três dias depois.

Ao medroso, ou qualquer que, por motivos poderosos, não possa entrar na água do mar, ainda assim é altamente conveniente o passeio até às praias.

A athmosphera marítima influe beneficamente sobre os nossos pulmões, demonstra Garnier; e Bayle fundando-se nas estatísticas dos hospitaes à beira mar sustenta a salubridade das praias.

E para chegar-se a este resultado basta conhecer-se os elementos componentes da água do mar.

A athmosphera marítima, ventilada continuamente pelas brisas limpas, menos fria no inverno, e mais fresca no estio, deve às partículas salinas, de que estão impregnadas as camadas inferiores, as virtudes especiaes; e é por isso mesmo que ella actua de um modo favorável sobre as constituições fracas e temperamentos lymphaticos.

Por isso aconselhamos sempre os banhos de água do mar ou os banhos de ar marítimo.

Esperamos que, observados estes preceitos, os nossos banhistas hão de encontrar nas praias a saúde e o descanço, que aqui lhes apetecemos.”

 

Nota:

 

1. Aos que leram espero que tenham gostado. Vejam bem como com o passar dos anos as ideias mudaram radicalmente. Boa praia para todos! 


Rabiscado por Lígia Laginha às 08:52 link do post | Comentar | Ver comentários (1) | Marafações predilectas

pesquisar

 

Setembro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
17
21
26
27
28
29
30

últimos comentários

  • Ora andava na net a pesquisar uma receita das noss...
  • Muito boa tarde.Gosto muito do seu trabalho.Hoje e...
  • Parabéns pelo artigo...Foi editado em 2010 pela Câ...
  • olá viva,adoro a alcofa redonda. Será k posso ter ...
  • Um dos meus bisavôs teve uma dessas indústrias de ...
  • Tão lindo, tudo caiado, branquinho ! Pena que est...
  • Cara Lígia,Tomei a liberdade de utilizar esta sua ...
  • Olá, procuro os proprietários da capela de Sta . C...
  • Muito bom blog ;))
  • tenho uma cataplana a estrear e vai começar por um...

mais comentados

As marafações passadas de validade