Património Louletano (VIII) - O Castelo de Salir

 

Bom dia caros visitantes do "Marafações de uma Louletana".

 

Numa altura em que decorre o "Salir do Tempo 2011" aqui ficam algumas notas sobre o património histórico desta magnífica região do interior louletano. 

 

Em Salir existiu uma povoação rural islâmica, inicialmente uma alçaria não fortificada, com casas dispersas, em contacto directo com campos agrícolas e pequenas hortas e pomares. Da inicial defesa comunitária da povoação (castelo-celeiro, com abundância de silos) surgiu, no período almóada, uma fortificação de taipa, da qual restam apenas quatro torres e panos das muralhas incorporados em construções que lhes sobrepuseram.

Quem chegue ao morro do castelo pela encosta sudoeste depara com a primeira torre, entre os muros de um grande edifício, voltada para uma ruela que acompanharia o exterior da muralha sul. Seguindo por uma estreita rua, para norte, chega-se à segunda torre, designada por Muro Maior (torre albarrã), que se localiza sobre a encosta poente, junto à área onde as escavações arqueológicas pusera a descoberto um tramo de muralha e um conjunto de edifícios dos séculos XII-XIII. Sobre a encosta norte encontra-se outra, num forte declive da rocha e já muito destruída. A nordeste fica a Torre chamada de Alfarrobeira, também construída sobre o forte declive da rocha.

As escavações arqueológicas, em vias de integração museológica, revelaram silos (num total de dez) e canalizações, que terminaram em aberturas na muralha; uma estreita ruela, com 1,80m de largura, também a terminar na muralha; e estruturas habitacionais. Apesar de incompletas (as escavações em pleno centro urbano efectuaram-se apenas num pequeno quintal), pode considerar-se que as casas almóadas de Salir são pequenas, simples e pobres construções de taipa com base de pedra, agrupadas num bairro periférico encostado à muralha poente.

O material arqueológico recolhido abrange uma cronologia entre finais do século XI, inícios do século XII e, sobretudo, dos séculos XII/XIII, quando a povoação se encerra no interior do recinto fortificado.

Os vestígios encontrados revelam uma densa ocupação almóada. Mas a alçaria de Salir é certamente anterior a este período, facto confirmado em prospecções arqueológicas e pelo achado de uma lápide funerária, datada de inícios dos séculos XI (lápide obituária de Ibne Said, que faleceu em 1016), encontrada em terrenos localizados a sul do castelo, onde estaria o cemitério islâmico.

A reconquista de Salir foi consumada (a data é incerta) pelos cavaleiros da Ordem de Santiago, sob o comando de D. Paio Peres Correia, a seguir à conquista de Tavira. Ocupada a povoação (as escavações revelaram restos de armas em camadas de incêndios), e aqui se delineou a estratégia para a reconquista de Faro e de Loulé.

 

Nota:

 

1. Esta informação foi retirada de CATARINO, Helena – O Algarve Islâmico: Roteiro por Faro, Loulé, Silves e Tavira, s.l., Comissão de Coordenação da Região do Algarve, s.d.

Rabiscado por Lígia Laginha às 07:44 link do post | Comentar | Marafações predilectas