Presidentes da Câmara Municipal de Loulé (III) - José da Costa Guerreiro

 

 

Bom dia caros visitantes do "Marafações de uma Louletana".

 

Hoje voltamos a falar dos Presidentes da nossa edilidade e o visado é José da Costa Guerreiro.

 

Surge como Presidente da Comissão Administrativa nomeado a 23 de Outubro de 1935. Durante a sua longa presidência (de dez anos e alguns meses) várias foram as iniciativas políticas a destacar, entre elas a ampliação do Cemitério Municipal, a solicitação de uma Escola de Artes e Ofícios, a criação de um Centro de Saúde, a revisão dos vencimentos do pessoal do quadro e a regulação dos horários dos estabelecimentos de venda ao público. Verificou-se o desenvolvimento da vila e das regiões costeiras, especialmente Quarteira. Aprovou-se ainda, o regulamento da Corporação de Bombeiros de Loulé e procedeu-se à classificação da Igreja Paroquial de Almancil como Monumento Nacional. No Salão Nobre, em 7 de Abril de 1937, procedeu-se à apresentação das fotos oficiais de Marçal Pacheco e José Mendes Cabeçadas Júnior. Na decorrência das suas funções, José da Costa Guerreiro foi substituído por José Cláudio da Silva Mendes, em Março de 1938, e anunciou o seu afastamento em 25 de Janeiro de 1945. Como reconhecimento do mérito e do trabalho que realizou para o desenvolvimento do Concelho de Loulé, foi agraciado com as insígnias de Oficial da Ordem de Cristo (sessão de 30 de Dezembro de 1946).

Começou, como Vereador, a servir o Presidente da Câmara a 12 de Setembro de 1951, e surge na acta de 20 de Novembro desse mesmo ano como Presidente da Câmara. Mais uma vez à frente dos destinos do Concelho, de entre as obras projectadas e inauguradas no seu tempo destacam-se a classificação de "imóvel de interesse público" dada à Capela de Nossa Senhora da Conceição, a construção, iluminação e inauguração do Monumento em homenagem a Duarte Pacheco e a inauguração do Monumento ao Doutor Cândido Guerreiro, em Alte. A nível da educação é de referir os cursos nocturnos para adultos em povoações do Concelho. Com o aumento do tráfego rodoviário surgem medidas que o regulamentam, tanto em Loulé como em Quarteira, e procedeu-se à construção de uma Estação de Camionagem. Foi construído um bairro de casas económicas. A última sessão a que presidiu ocorreu a 5 de Janeiro de 1956.

 

Rabiscado por Lígia Laginha às 07:06 link do post | Comentar | Marafações predilectas