Festividades Louletanas (I) - Festa da Nossa Senhora da Piedade

 

 

 

 

Bom dia caros visitantes do “Marafações de uma louletana”.


Hoje este singelo blog inaugura uma nova rubrica que diz respeito às festividades que têm lugar no Concelho de Loulé. As festas e romarias são sem sombra de dúvida uma marca indelével da etnografia de um povo. Assim sendo, não podíamos deixar de parte esta componente do povo louletano que o define enquanto tal. Lanço o desafio aos comentadores de acrescentarem algo que lhes pareça relevante e alerto desde já para o facto do “Marafações de uma louletana” apenas pretender dar um “cheirinho” sobre cada tema sem o aprofundar demasiado.


E como a Páscoa está aí comecemos então pela maior festa religiosa a sul do Tejo, ou seja, a Festa da Mãe Soberana ou Nossa Senhora da Piedade, padroeira da cidade de Loulé. Esta festa, exemplo inequívoco do que é o culto Mariano, perpetua-se desde 1553 e anualmente, por altura da Páscoa, atrai à região milhares de pessoas. Todos os anos, no Domingo de Páscoa, a cidade de Loulé prepara-se meticulosamente para receber a sua padroeira que desce do Cerro da Piedade para a Igreja de São Francisco, numa procissão que mistura o fervor religioso com o espírito profano da festa. Esta procissão centrada no “descer” da Mãe Soberana designa-se de Festa Pequena. Quinze dias depois da mesma ocorre então a denominada Festa Grande que é o ponto alto deste evento religioso e consiste no processo inverso, isto é, a padroeira é levada em ombros pelos oito Homens do Andor Cerro acima até à sua morada, ou seja, a Ermida da Nossa Senhora da Piedade. Logo ao inicio da tarde, depois da celebração da eucaristia, inicia-se a chamada Procissão Solene em que a procissão percorre as principais ruas da cidade de Loulé. O ponto alto da mesma procissão é efectivamente a subida para o Santuário que se faz a um ritmo regulado pelo som da banda filarmónica Artistas de Minerva entre foguetes e flores, acenos de lenços e vivas. O Andor da Mãe Soberana pesa cerca de dezoito arrobas pelo que ladeira a cima se revela no esforço aplaudido por todos que vêem nos Homens do Andor verdadeiros heróis ao serviço da fé. A festa termina com fogo-de-artifício que ocorre nessa noite junto ao Cerro da Piedade.


Muito mais haveria a dizer sem dúvida mas para isso convido todos quantos se interessarem por esta temática a consultar inúmeros trabalhos existentes sobre o tema.


Nota:


1. A marafa louletana aconselha a leitura dos vários artigos relacionados com a Mãe Soberana publicados no jornal “A Voz de Loulé” da autoria de João Chagas Aleixo. Este trabalho que já conta com dezenas de textos é indispensável para quem quiser saber mais acerca desta Festividade e símbolo da comunidade louletana.


2. Pontualmente voltaremos a esta temática que tem também a sua vertente patrimonial entre outras.

Rabiscado por Lígia Laginha às 09:38 link do post | Comentar | Marafações predilectas